Há algum debate sobre os benefícios de beber (ou evitar beber) água às refeições…
Quando na realidade, o debate deverá ser: está-se (estou) a consumir a quantidade necessária?

A quantidade diária de líquidos a ingerir varia de indivíduo para indivíduo e de acordo com uma grande diversidade de fatores – desde logo com o género (em que o género masculino necessita de maior quantidade pela sua composição corporal), a idade (havendo grupos mais suscetíveis, sobretudo pela sua menor capacidade em distinguir a “sede”), o ambiente (húmido ou seco), a temperatura, a altitude, entre outros tantos mais específicos.

No entanto, apesar desta grande variabilidade, a evidência científica aponta para que, um homem saudável necessita de 2,5L de água e uma mulher saudável de 1,9L por dia (que muitas vezes, arredondamos para os 2L). Tendo em conta que, cerca de 20% a 30% da água que ingerimos advém de alimentos (como as frutas e vegetais), um homem deverá beber cerca de 2L e uma mulher 1,5L de água ou outras bebidas como chás ou infusões sem adição de açúcar.

Aqui chegados, a distribuição ao longo do dia deverá ser aquela que for mais eficiente para alcançarmos estes valores! Beber água às refeições é perfeitamente viável para alcançar as necessidades diárias recomendadas, sobretudo no caso de não haver sopa na refeição. Exceção a isto são os casos de patologias como o refluxo gastroesofágico ou outras situações devidamente identificadas.

Relativamente ao controlo de peso ou emagrecimento – talvez a situação em que mais se debate o consumo de água à refeição – o seu benefício ou não, depende de caso para caso!

Por um lado, podemos argumentar que beber água à refeição é pouco benéfico porque ajuda a “empurrar” os alimentos fazendo-nos consumir maior quantidade mais rapidamente, sem nos apercebermos (sobretudo para aqueles de nós que tendem a comer muito rápido ao “comer” e “beber” em simultâneo). Podemos ainda acrescentar que, neste caso, ao termos sólidos e líquidos na mesma refeição estamos a provocar uma distensão do estômago que, de forma permanente pode levar ao seu aumento fazendo assim com que a saciedade só chegue quando comemos em maior quantidade (para encher um estômago, agora, maior).

Por outro lado, podemos argumentar que, comendo a um ritmo moderado e ingerindo 1 a 2 copos de água por refeição até estamos a contribuir para a saciedade, permitindo-nos “encher” parte do estômago com um alimento sem calorias. E neste caso podemos até pensar na máxima “beber água ao longo dos 30 minutos prévios a uma refeição”, como um contributo para no momento da refeição nos sentirmos mais saciados (sobretudo se estivermos com alguma fome) pelo volume que a mesma ocupa no estômago.

Mensagem-chave: consumindo mais ou menos água à refeição – encontre o “plano de hidratação” que mais lhe convém ao longo dos desafios de cada dia para atingir os valores diários recomendados.

Vera Fernandes, Nutricionista do Programa de Alimentação Saudável do Jumbo.
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº 1581N.

Afinal, faz ou não faz bem beber água à refeição?