Não é segredo que a maternidade hoje em dia representa um papel muito importante na vida de uma mulher, mas não é de todo o único. Muitas enfrentam o desafio de conciliar a maternidade com uma carreira, uma vida familiar animada e uma vida social saudável. O dia tem apenas 24 horas. E agora?

A meditação é aconselhada como uma ferramenta para melhorar o auto-conhecimento, gerir melhor o stress e as emoções. Muitas vezes, para proporcionar uma pausa que permita reavaliar a correria do dia-a-dia e rever as prioridades. Mas num dia já de si tão ocupado, e muitas vezes com uma ou várias crianças a pedir atenção, como encontrar espaço para meditar? Antes de mais, procure não fazer da meditação mais uma tarefa da sua lista. Isto poderá torná-la rapidamente numa fonte de culpa e frustração. Meditar deve, com o tempo, tornar-se um hábito saudável e agradável. Ser um pequeno prazer e uma ferramenta de recuperação de alguma sanidade mental no caos da vida diária.

Aqui ficam alguns truques para encontrar o seu refúgio de espaço e tempo na meditação.

Proporcione o momento e livre-se de preconceitos

O mais difícil para a maioria das mães é encontrar o tempo e o espaço para meditar, visto aparentemente nunca estarem sozinhas. Não é fácil, mas investigue.

  • Quantas vezes consulta o email ou as redes sociais por dia?
  • Há alguma dessas pausas que possa ser usada para meditar?
  • O que aconteceria se “demorasse mais 10 minutos” no supermercado ou na reunião da escola? Quando, na realidade, estaria no carro a ouvir uma curta meditação guiada.

Provavelmente seria um dia normal como os outros, e esses dez minutos seriam mais produtivos se passados a meditar.

  • É a última a deitar-se ou a primeira a levantar-se lá em casa?
  • Que tal aproveitar 5 minutos a sós consigo para meditar?
  • Quando se está a cuidar de bebés nos primeiros meses, será que uma das sestas da criança poderá ser aproveitada para meditar?

Se se deixar vencer pelo cansaço e adormecer, não se recrimine, é porque o corpo pediu e precisava. Mas se meditou um minuto antes disso, já é um começo. O mesmo se aplica quando se tem crianças pequenas, em que “mããããããeeee” é normalmente o som do alarme para o final da meditação. E não há mal nisso, meditar é uma ferramenta, e não um modo de vida em que precisa de estar isolada como um monge. Meditar pode e deve ser incluído na vida diária. Na vida real. Essa muitas vezes só permite 5 ou 10 minutos de meditação, e não há mal nenhum nisso.

Medite de olhos abertos

Este truque é particularmente bom se tem receio de adormecer ou se está responsável por uma criança. Por exemplo, durante a sesta do seu filho. Meditar de olhos abertos, com o treino, permite o mesmo grau de abstração da meditação de olhos fechados. Há inclusive referências que se podem utilizar para focar o olhar durante a meditação. Pode ser a chama de uma vela, uma mandala, a lua ou as estrelas. Estas são as versões clássicas, mas na realidade pode escolher qualquer imagem que a inspire. Se tem a agenda cheia de atividades (desde a natação até ao judo, do inglês até à música) e dá por si a passar horas da sua semana a assistir às várias aulas extra-curriculares, pode inclusive ter o seu filho como referência para a meditação. Imagine que, durante a aula de natação fica alguns minutos sentada na bancada a ver o seu filho, focando-se na respiração e procurando aquietar a mente e não se demorar noutros pensamentos. Há mães que defendem que é terapêutico, e ajuda a superar as pequenas agruras do dia, as discussões e contrariedades que se tornam pequeninas quando se medita um pouco numa das pessoas mais importantes da sua vida.

Medite com um mantra

Meditar com um mantra consiste em repetir para si, em silêncio, uma frase curta e com significado. Esta ajuda a criar uma “música de fundo” na mente e a fazê-la abstrair dos pensamentos. Tradicionalmente, utilizam-se mantras já estabelecidos, em sânscrito ou noutras línguas antigas. No entanto, o mesmo efeito se pode obter com palavras ou frases simples na sua língua materna. Encontre algumas que a inspirem, ou improvise no dia, consoante a intenção da sua meditação. Há até autores que afirmam que repetir frases encorajadoras para si própria numa base regular podem ajudar a mudar o seu comportamento ou a sua forma de ver a vida.

A tecnologia pode ser uma boa aliada

Hoje em dia há muitíssimas aplicações com meditação guiada e álbuns de música meditativa ou mantras, muitas delas grátis. Vá explorando até encontrar uma de que goste e tenha-a sempre à mão, no seu computador, telemóvel ou tablet. Assim, em qualquer oportunidade que surja, pode espontaneamente ouvir uns minutos de meditação guiada ou uma música que a ajude a “entrar” mais facilmente em estado meditativo. Nunca mais o tempo de espera nas finanças ou na loja do cidadão vão parecer tão longo ou inútil. Se quer dar uma oportunidade à meditação no seu dia-a-dia, saiba que não há nada como começar. Experimente, crie o seu pequeno ritual e permita-se a pequena variações de assiduidade, tempo e condições de meditação que fazem parte da vida de uma mãe atarefada.

Teresa Fernandes, Fisioterapeuta

Quatro truques de meditação para mães