O Natal é a época que mais consequências poderá trazer à rotina, cuidados e motivação de quem procura um estilo de vida saudável. Se por um lado lhe apetece matar saudades de algumas iguarias que não consome o resto do ano, por outro lado poderá sentir culpa por saber que não está a seguir o caminho mais saudável. Ponha a culpa de lado! É tudo uma questão de equilíbrio, foco e expectativas.

Equilíbrio – ou “bom senso”, se preferir. Será a alimentação natalícia saudável? Não muito. Mas é importante? Pode ser… Os pequenos prazeres são importantes, especialmente se forem entre família e amigos. Estar em contínua negação destes prazeres e em auto-controlo forçado, não é benéfico. E uma alimentação só é verdadeiramente prejudicial se for mantida posteriormente. E aqui chegamos ao foco.

Foco – separe as festas. Pense quando é realmente para festejar, evitando o tradicional “começar-a-meio–de-dezembro-e-terminar-em-janeiro”. Faça ainda uma lista de desejos alimentares: o que quer mesmo comer ou não consegue resistir? Limite-se a cumprir a sua lista, de forma a não frustrar as suas expectativas.

Expectativas – este é ponto mais associado à motivação. O resultado existe na proporção do esforço realizado/conseguido. Ora, se tem algum objetivo de peso ou saúde (glicemia; colesterol; entre outros), não pode esperar os resultados habituais após uma fase anormal. As festas são situações que, mesmo sendo pontuais, podem trazer consequências. No entanto, tudo é recuperável! Não desanime, compreenda a causa do seu resultado e retome os cuidados alimentares assim que possa.

Fica lançado o desafio: este ano alegre-se e não deixe que seja o Natal a mandar na sua saúde!

 

Maria Catarina Monteiro, Coach da Your Challenge, Formadora e Nutricionista.
Ordem dos Nutricionistas nº0759N

Os 3 segredos para um Natal saudável