Variar as nossas fontes de hidratação pode ser muito importante, sobretudo para quem não aprecia beber água por si só ao longo do dia. Os chás e infusões são excelentes alternativas que, para além de atribuírem sabor à nossa hidratação, fornecem outros benefícios associados aos compostos químicos das ervas e plantas, nomeadamente os polifenóis (antioxidantes) que encontramos em quantidade generosa, por exemplo, no chá verde.

Apesar de, por norma, denominarmos “chá” a todas as infusões de plantas, apenas o são as infusões da planta camellia sinensis, de que são exemplo o chá verde, o chá preto e o chá branco. Todas as restantes ervas e plantas que não derivem da camellia sinensis não se designam “chá”, sendo conhecidas como “chás de ervas”, “infusões” ou até “tisanas” (apesar de as denominações “infusões” e “tisanas” serem por norma também referentes à forma como se faz o chá – se a erva for colocada a ferver juntamente com a água é uma tisana; se a água após fervida é adicionada à erva ou planta, é uma infusão).

São muitos os exemplos de chás de ervas: camomila, cidreira, tília, rooibos, flor de laranjeira, entre tantas e tantas outras variedades. Quer os chás, quer os chás de ervas podem ter diversas ervas, plantas e frutas na sua composição, criando uma grande variedade de sabores. Uma das grandes diferenças entre os chás e chás de ervas é a presença ou não de teína. A teína é como que “a cafeína dos chás”, sendo por isso uma substância estimulante, semelhante à cafeína. O chá tem teína e em diferentes quantidades consoante a sua fermentação. O chá preto (o chá com mais fermentação) é o que apresenta maior teor. Por outro lado os chás de ervas não apresentam teína na sua constituição e os chás “descafeinados” ou “desteinados” apresentam um valor residual.

Uma adequada hidratação é essencial durante todo o ano, sendo importante salientar que não deve ser descurada no inverno, época em que continua a haver importantes perdas de água e em que a sensação de sede está reduzida. Os chás e chás de ervas são boas opções sobretudo se privilegiar o seu consumo sem adição de açúcar, mantendo-se assim como bebidas isentas de calorias, tal como a água.

Vera Fernandes, Nutricionista do Programa de Alimentação Saudável do Jumbo.
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº 1581N.

Chás e chás de ervas – Porque hidratar pode ser mais que beber água